Skip to content

O papel de parede no museu

3 de novembro de 2010
by

Foi necessário que dois museus unissem forças para que a exposição “Face au mur. Papiers peints contemporains” pudesse acontecer a partir de ontem (2/11) na Suíça. Claro: uma exposição de papéis de parede precisa de metros e metros quadrados de superfície livre para a aplicação das obras recém-elevadas-a-status-de-arte.

É assim que as instituições de arte suíças, mudac (em Lausanne) e Musée de Pully (na pequena cidade de Pully) recebem a exposição, dividida entre dois espaços que contam com uma considerável distância entre si. Para amenizar o problema de uma mostra que deveria ser vista de uma só vez e na tentativa de conservar sua coerência e unidade, a curadoria veio com uma boa ideia: dividir a exposição em temas. A partir daí, alguns temas ficam no mudac (papéis de parede que tenham como temas política, sociedade consumidora, padrões repetidos, novas tecnologias e tendências)  e outros, no Pully (aqueles que remetem à arte conceitual, aos retratos, padrões híbridos, narrativas, filmes/vídeos, o corpo e jogos ópticos). Há certo destaque para os movie wallpapers da artista alemã Brigitte Zieger que, além de animados, apresentam efeitos de som.

A minha questão é: será este um novo objeto da arte contemporânea ou simplesmente uma maneira diferente de apresentar no museu os mesmos temas de sempre?

Em outras palavras: o papel de parede é o conteúdo ou é apenas forma?

No comments yet

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: